CLIc: uma janela aberta às mentalidades coletivas

A literary think tank

O Clube de leituras não obrigatórias

Fundado em 28 de Setembro de 1998

19 de junho de 2013

Debate Julho - a Literatura infantil chega ao CLIc

Amor perfeito, perfeitamente
Uma pena, uma saudade - Francisca Nóbrega

A estória de Francisca (menina protagonista do livro) é uma estória diferente. A começar pelo fato de que é uma estória que tem pouca estória. Mas o seu quase nadinha de estória conta um desses momentos que iluminam a vida inteira de quem o viveu, porque é um momento de revelação do essencial.

* * *

Francisca Maria do Nascimento Nóbrega, fluminense de Macaé (1925 - 2006), se doutorou em ciência da literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com a tese "O pássaro da infância: voo semiológico, repouso poético", ensaio de literatura infantil, em 1984. Em "O risco do bordado: a marca do homem" (1977), a poeta e ensaísta Francisca Nóbrega fez leitura poética e análise crítica do romance "O risco do bordado" de Autran Dourado, com base no pensamento hermenêutico de Martin Heidegger e a partir do discurso simbólico e mítico do autor. Enquanto professora de Letras da UFRJ, Francisca sempre trabalhou para que a Literatura infantil ocupasse lugar de destaque nos meios acadêmicos e o fez de forma apaixonada, poética e encantadora. É autora também do livro de literatura infantil "Nova odisseia de Ulisses ou mil tiques e um toque". Moradora de Niterói desde a juventude, recebeu em 8 de outubro de 1986 da Câmara Municipal a Medalha Escritor José Cândido de Carvalho por sua produção no campo da Literatura Infantil.


* * *


Depoimento: "Se me perguntassem que professor ou professora ensinou-me o prazer de ensinar, eu sentiria dificuldades para responder. Não foram muitos, mas, escolhendo um nome, cometeria injustiças. Se me perguntassem, porém, qual desses poucos idolatrei com mais paixão, responderia sem gaguejar: Francisca Nóbrega." (Gabriel Perissé)



Atenção: em julho, haverá sessão dupla no CLIc

Sessão 1: "Uma pena, uma saudade" de Francisca Nóbrega
Sessão 2: "letras rebeldes, fluidos insensatos" de novaes/


5 comentários:

  1. Se lutou para que a literatura infantil ocupasse lugar de destaque no meio acadêmico, continua lutando para que a literatura infantil chegue triunfalmente ao CLIC.

    ResponderExcluir
  2. UMA PENA, UMA SAUDADE

    A saudade é uma pena?
    Alguém já disse que não,
    é sinal de que valeu a pena
    completar o coração.

    Sim, porque o nosso tanque
    nasce vazio e vamos enchendo
    com muito mais do que sangue:
    com amor e o que vamos vivendo.

    Não importa se o Colibri
    era um se-mostrador
    ou se Carolina estava ali
    carente de algum amor.

    Houve o encontro, isso é fato.
    E um afeto puro e idealista
    é o que aparece neste relato
    da Professora Francisca.

    É um livro belo de se ler,
    tem gosto de liberdade,
    e já não sei o que prefiro ser:
    se a pena ou a saudade.

    Mas a lição que fica
    é que valeu ler Francisca.
    Sabe de uma coisa Ilnéa?
    Foi boa a sua ideia!

    Novaes/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata, Novaes, faz tempo que não me sinto tocada por tanta delicadeza...

      Foi mais que uma boa idéia
      mas, digo, "eu não sabia"
      foi aplauso da platéia,
      de Deus, fazendo poesia!

      E, onde quer que a Chica esteja, estará sorrindo para você... e para todo o CLIc... e para todos que a amam, de verdade.

      Um grande abraço, então... pode ficar por minha conta.

      Excluir
  3. Novaes , muito bom e destaco essa quadra que resume bem o livro:

    Houve o encontro, isso é fato.
    E um afeto puro e idealista
    é o que aparece neste relato
    da Professora Francisca.

    ResponderExcluir
  4. Novaes , muito bom e destaco essa quadra que resume bem o livro:

    Houve o encontro, isso é fato.
    E um afeto puro e idealista
    é o que aparece neste relato
    da Professora Francisca.

    ResponderExcluir

Prezado leitor, em função da publicação de spams no campo comentários, fomos obrigados a moderá-los. Seu comentário estará visível assim que pudermos lê-lo. Agradecemos a compreensão.